Central de Vendas 11 3251-3962

Fim de tarde de uma alma com fome

Mais informações
Autor:
Sérgio Medeiros (veja mais livros deste autor)
Editora:
ILUMINURAS(veja mais livros desta editora)

Por: R$ 49,00 Em 3x de: R$ 17,49

Comprar
Sob Encomenda: com previsão de postagem em até 8 dia (s) útil (eis).
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 49,00 sem juros
  • 2x de R$ 25,79 com juros
  • 3x de R$ 17,49 com juros
Avalie:

O fim de tarde de uma alma com fome, o poema dramático de Sérgio Medeiros, tem ares pessoanos na ambientação indefinida e nebulosa, entre a noite e o dia, a vida e a morte, em que dois personagens, um soldado e uma velha, se conhecem e dialogam. Mas enquanto os poemas dramáticos de Pessoa procuram induzir o leitor a uma espécie de claustrofobia onírica, os três atos de O fim de tarde de uma alma com fome são voltados para fora, numa poética radical de intertextualidade. Já nas instruções de leit ura, aprendemos que cada ato é uma versão (da mesma história?), e que os atos podem ser lidos em ordens distintas. E não é só isso: o leitor pode optar por substituir uma ou duas das versões por outros textos, entre os quais o Popul Vuh maia-quiché e o volume de clássicos amazonenses Makunaíma e Jurupari. O poema, então, compõe-se e recompõe-se nesse diálogo com obras distintas, onde o motivo comum é a cultura ameríndia na sua relação com as línguas e as culturas americanas. Dos vários textos qu e fazem parte desse diálogo intertextual, o mais importante é a narrativa pemon “Como os venenos azá e ineg, para matar peixes, vieram ao mundo”, de Makunaíma e Jurupari. É desse mito que vem o casal que dialoga no poema: a anta, isto é, a velha, ou alma canibal, e o humano – neste caso um soldado que se separou do seu pelotão. Como no conto pemon, o diálogo entre esses seres de espécies distintas é marcado por diferenças perspectivistas: o que para ela é uma cobra, para ele é um fogão o que pa ra ela são pérolas, para ele são carrapatos, e assim por diante. Mas se o perspectivismo, para Viveiros de Castro, se localiza no mundo mesmo das diferentes pessoas (pessoa anta ou pessoa humana), aqui ele é uma questão de língua. A poesia de Sérgio Medeiros surge precisamente dos jogos de entendimento e desentendimento entre essas duas línguas: a da anta (a velha ancestral indígena) e a do soldado (em outras palavras, o estado-nação) matricida.   LÚCIA SÁUniversidade de Manchester

Código de barras:
9788573214611
Dimensões:
4.00cm x 12.00cm x 21.00cm
Edição:
1
Marca:
ILUMINURAS
Idioma:
Português
ISBN:
9788573214611
ISBN13:
9788573214611
Número de páginas:
64
Peso:
50 gramas
Ano de publicação:
2022
Encadernação:
BROCHURA