Central de Vendas 11 3251-3962

DEFUNTO ESTRAMBOTICO, UM

Mais informações
Autor:
Facioli (veja mais livros deste autor)
Editora:
NANKIN(veja mais livros desta editora)

Produto indisponível no momento, quer ser avisado?

Preencha os dados abaixo para ser avisado quando retornar.

Desejo receber newsletter
Produto Não Comercializado
Avalie:

"A conhecida obra de Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas, ganha neste estudo de Valentim Facioli uma abordagem reveladora. Em Um defunto estrambótico, o autor, fazendo uso de um termo até certo ponto machadiano - o significado de estram b ótico e sua variante estrambólico é pouco conhecido - lê esse defunto-narrador como uma metáfora de um Brasil escravista, ""carcomido"" por contradições entre o arcaico e o moderno, e se esse é um ponto forte da sua análise, não é só essa implicaçã o qu e Facioli analisa. O estudo mostra como Machado opera uma relação estranha entre seu narrador-personagem e o leitor. Trata-se de uma brincadeira, um capricho, um desrespeito, uma fraude? A narrativa propõe uma ruptura com um princípio básico do real ismo, porque quem fala, pensa e expõe as idéias, não estaria apto a fazê-lo. A ele só restaria ser devorado por vermes, pois não é esse o destino reservado ao defunto? Mas não. Há uma quebra da verossimilhança e somos atormentados com idéias es tapafú rdias de um defunto a nos atazanar a vida. Seria o defunto Brás uma alma penada a querer assombrar os leitores, ou a ironia de Machado tem outros desdobramentos que não se percebe prontamente? Outra complicação de fundo da narrativa de Machad o (ou s eria de Brás Cubas?) que Facioli bem analisa é aquela em que o leitor é sempre desafiado a acreditar ou a desconfiar do que está lendo, pois o ponto de vista da narrativa é sempre de Brás Cubas e não existe outra fonte a respeito dos aconteci mentos n arrados. E tudo se complica ainda mais quando ele afirma que ""só fala a verdade"", pois na condição em que se encontra ""não teria por que se comprometer com as mentiras ou meias-verdades dos vivos"". Quem estaria delirando nesse caso: Mach ado, Brás Cub as ou seria esse delírio um retrato especular do Brasil da época? Por outro lado, sendo Brás Cubas uma paródia ao nome do colonizador português, não estaria Machado dando nome aos bois e, por extensão, dando ao seu personagem um pouco d aquilo que sig"

Código de barras:
9788577510238
Dimensões:
1.00cm x 16.00cm x 23.00cm
Edição:
2
Marca:
NANKIN
Idioma:
Português
ISBN:
9788577510238
ISBN13:
9788577510238
Número de páginas:
182
Peso:
290 gramas
Ano de publicação:
2022
Encadernação:
BROCHURA