Central de Vendas 11 3251-3962

Ana flor da água da terra

Mais informações
Autor:
Heloiza Abdalla (veja mais livros deste autor)
Editora:
ILUMINURAS(veja mais livros desta editora)

Por: R$ 49,00 Em 3x de: R$ 17,49

Comprar
Sob Encomenda: com previsão de postagem em até 8 dia (s) útil (eis).
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 49,00 sem juros
  • 2x de R$ 25,79 com juros
  • 3x de R$ 17,49 com juros
Avalie:

    Ana Flor da Água da Terra, primeiro livro da poeta  Heloiza Abdalla, conta em 37 poemas a narrativa de uma mulher em sua travessia com o tempo. Uma mulher busca silêncio, e em princípio teme, é perseguida por ele. Ana Flor vive parti da, dor que traz o si. Numa dança muda, a crescente despedida. Na teia de saberes, saber nenhum, o percurso (osso), o mar.      ”... se começou a ser escrito aos dezoito anos da autora, sua escrita, que se desdobra até os vinte e cinco, é uma concentrada elaboração da intimidade com os vazios, os tecidos e os desvãos que habitam as palavras. (...) O livro é feito de discretos motivos reverberantes, à maneira de um rarefeito romance íntimo do qual os fatos estão subtraídos, para que fique  a nervura fina dos acontecimentos, os fatos instantes que apenas instam, urgem, insistem, perguntam."  José Miguel Wisnik     Heloiza é poeta e psicanalista. Formada em Ciências Sociais pela Unicamp, e no Centro de Estudos Psicanalíticos, dedica-se à pesquisa e à clínica.      A poesia é o pacto do que se diz com o que não se diz. Ana Flor da Água da Terra, de Heloiza Abdalla, conhece bem essa aliança com o silêncio, que pratica. O título do livro pode s oar vagamente como o de uma obra adolescente de efusão pela natureza. Mas, se começou a ser escrito aos dezoito anos da autora, sua escrita, que se desdobra até os 25, é uma concentrada elaboração da intimidade com os vazios, os tecidos e os desvãos que habitam as palavras, quando nomeiam as coisas, sempre voláteis.   Entre palavras e coisas, palpáveis ou impalpáveis, resta um halo sem nome, que normalmente se perde na conversa geral, seja na conversa dura que empedra os sentidos, na conver sa mole que os dilui, na conversa jogada fora no ralo da consumição cotidiana. A poesia, diferentemente disso, é uma conversa fiada que afiança, que confia no fio invisível que liga as palavras, como “a flor/ confia// fia// não acelera/ não atrasa// o tempo/ habita”.   O poema que acabo de citar se chama “Princípio”, e é o último do livro. O “princípio”, que está no fim, é também o fundamento, o princípio ativo da flor, da poesia em seu hábitat exato no tempo. No corpo do livro, os sinais s ilenciosos dizem, como o jogo elíptico entre o título e os versos, as entrelinhas e os espaçamentos, a inversão sintática que deixa frouxa a definição de sujeito e objeto (“o tempo/ habita”), assim como em outros poemas a polifonia sutil das dicções,

Código de barras:
9788573214963
Dimensões:
3.00cm x 13.50cm x 19.50cm
Edição:
1
Marca:
ILUMINURAS
Idioma:
Português
ISBN:
9788573214963
ISBN13:
9788573214963
Número de páginas:
64
Peso:
15 gramas
Ano de publicação:
2022
Encadernação:
BROCHURA